sábado, 20 de abril de 2019

Cantemos, amemos e ressuscitemos

Quando viajo, costumo trazer objetos simples na mala, que guardam as recordações dos tempos e espaços que visito. Agora, em Portugal, não foi diferente. Em Covilhã, aos pés da Serra da Estrela, comprei o livro Musicofilia, de Oliver Sacks. A obra explora “o lugar que a música ocupa no cérebro e como é que ela afeta a condição humana.” Estou a degustá-lo lentamente, à semelhança de quem saboreia um Pastel de Belém com uma chávena de café, no entardecer alaranjado, às margens do Tejo.

A cada capítulo, sucessivos convites à reflexão, tal qual aquele dedicado à Música no cérebro: imagética e imaginação, em que o autor cita o depoimento de um dos seus correspondentes, que diz que todas as memórias da infância dele eram acompanhadas por uma banda sonora. Creio que todos nós, se calhar, temos uma trilha musical que nos acompanha, sublinhando, ou até mesmo sublimando, os vários instantes da nossa existência. Ponderando, e ao mesmo tempo envolto nesse ambiente Pascal, recordei-me das várias experiências musicais, afetivas e místicas que já vivi nessa época.


Lembrei-me de Irmã Aldete cantando Prova de amor, de José Weber, na Capela da Rua Dr. João Moura. Revivi o momento no qual aprendi a tocar Tomai, comei, um clássico de Waldeci Farias frequentemente interpretado na cerimônia do Lava-pés, uma das pérolas do hinário popular católico brasileiro. Essa foi a primeira melodia que toquei sem precisar anotar nada no papel, sem recorrer às bolinhas brancas e pretas que acompanhavam o manual de instruções da minha flauta doce. Para executá-la, seguia o som interno que se movia dentro de mim, entre a mente e o coração, seduzido pelo desafio técnico e o desejo de mostrar para Maria Ferreira, a amada tia-avó que me adotou como o filho que nunca tivera, que a partir de então eu poderia tocar-viver meu destino, baseado no tripé instinto-fé-conhecimento. Vários outros cânticos vieram à tona, todos carregados com a emoção do instante em que os ouvi pela primeira vez. Sozinho, na sala mental de concertos, conforme define o conceituado pesquisador, atuei como performer e ouvinte, transitei entre o altar e a congregação, o palco e a plateia, banhando-me nos ecos das reminiscências plenas de sentidos e verdades, dando graças àqueles que ressoam por entre as minhas reentrâncias, àqueles que me ensinaram a cultivar essa paixão pela vida, o belo, o sagrado, a música.


Oliver Sacks mudou a rotina deste sábado, que não é um dia qualquer, pois foi num Sábado Santo que selei a minha união amorosa com Jane Cely, essa mulher que exala beleza, encanto, bondade. Ao todo, já se passaram 31 anos de partilha, dos quais 26 em matrimônio. Por tudo o que sonhamos, vivemos e construímos, aleluias! Pela luz que ilumina incessantemente nossas memórias, cantemos, amemos e ressuscitemos, hoje, amanhã, sempre.

Vladimir Silva (silvladimir@gmail.com)

4 comentários:

Liliane Amorim disse...

Que coisa linda!! Já ouvi falar desse livro e que é maravilhoso! Já está na minha lista de degustação literária. Sábado é o auge de nossa fé. Quantos motivos para comemorar! Deus abençoe!

Unknown disse...

Mestre!

Ralmon disse...

Bravo, Prof Vladimir Silva!

Sílvia Raposo disse...

Que lindo, professor. Amo ler os seus textos. São ricos de sabedoria e amor. Não tem como não se envolver. Gratida, sempre!

Postar um comentário