quarta-feira, 8 de abril de 2015

O Cavalinho Azul

Em maio de 1960, Maria Clara Machado estreou o espetáculo O Cavalinho Azul, obra em um ato e com nove quadros. A montagem foi do TABLADO, no Rio de Janeiro, e Reginaldo Carvalho compôs a trilha sonora da peça, que foi executada por Martha Rosman (piano), Livolsi Bartolomeo (contrabaixo) e Carlos Guimarães (piano). A direção do espetáculo foi da própria Maria Clara Machado, acompanhada por Heloisa Guimarães (assistente de direção), Anna Letycia (cenário), Kalma Murtinho (figurinos), Fernando Pamplona (iluminação), dentre outros profissionais. O Cavalinho Azul narra a história de Vicente, um menino que, na companhia de uma amiga que conheceu no circo, viaja o Brasil em busca de seu antigo cavalo, que fora vendido por seus pais. Para o menino, o cavalo é lindo, todo azul, com o rabo branco; para os adultos, um velho pangaré marrom. Ao longo do caminho, Vicente e sua amiga enfrentam dificuldades e dialogam com várias personagens.
A trilha sonora, para flauta, piano e contrabaixo, está organizada em onze seções, assim distribuídas: 1A (Introdução); 1B (Sonho); 3A (Calmamente) e 3B (Tema do Menino); 5A (Valsa de Circo); 5B; 10 (Dança dos Elefantes); 13; 14A (Meninas), 14B (Velhas) e 14C. A sequência dos movimentos, conforme descrito na parte de flauta, na cópia manuscrita feita por Livosli Bartolomeo, é a seguinte: 1A. Em seguida, 1B. Repete 1B. 3A, 3B, 5A, 5A e 5B. Baixo solo. 10. 5A. 13. 14A e 14B (repetir várias vezes, alternando 14A e 14B, cada vez mais lento). 14B. Em seguida, 1B, 5B, 5A, 1B, 14B, 3B e a Batucada Final (provavelmente referindo-se ao 14C).
Ao longo da pesquisa, não encontramos nos documentos originais a parte cavada do piano relativa ao movimento 10, Dança dos Elefantes. Para fins de edição, utilizou-se a grade manuscrita, elaborada por Reginaldo Carvalho, na qual a referida seção aparece completa até o décimo compasso. Os cinco compassos restantes deste movimento foram acrescentados pelos editores com base nos elementos utilizados previamente pelo compositor. O mesmo se aplica à seção do Baixo Solo. Presume-se que seja uma seção para livre improvisação. Para conferir a partitura editada, visite http://goo.gl/dDTr5t.
Além do Brasil, a peça também foi apresentada em Paris, em maio de 1965. O texto foi traduzido por Michel Simon, com direção de Manuel Montoro e cenários e figurinos de Beatrice Tanaka. É possível que as conexões pessoais e profissionais do compositor com a França possam ter contribuído diretamente para a produção do espetáculo na Cidade Luz. O certo é que a temporada foi sucesso de público, destacando-se a presença de Maria Clara Machado e Reginaldo Carvalho na estreia. Com a publicação da composição original da peça O Cavalinho Azul, o SESC Partituras resgata uma página importante da história do teatro e da música brasileira, revelando, ao mundo, mais uma faceta deste prolífico compositor.
Vladimir Silva (silvladimir@gmail.com)

Um comentário:

Lídia Ávila disse...

Gostaria muito de ouvir estas músicas de Reginaldo de Carvalho. Não encontrei quase nada na intenet. Se puderem me indicar, agradeço.

Postar um comentário