quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Beethoven, Schiller e Irmã Dulce

A Sinfonia Nº 9, em Ré menor, Opus 125, de Ludwig van Beethoven, é uma obra de referência dentro da literatura sinfônica. A composição, em quatro movimentos, foi finalizada em 1824 e é singular em vários aspectos, destacando-se, sobretudo, pelo último movimento, escrito, de forma pioneira, para quarteto vocal solista, coro e orquestra. O texto, de Friedrich Schiller, também conhecido como Ode à Alegria, é uma canção de júbilo e esperança, que exalta o amor universal. Esta é uma das sinfonias mais interpretadas nas salas de concertos ao redor do mundo. No Brasil, só neste mês de dezembro, sabe-se que a Nona Sinfonia foi apresentada em várias cidades, incluindo Curitiba, Recife e Salvador.

Em Salvador, tive a oportunidade de atuar como solista na montagem que foi organizada pelo maestro José Maurício Valle Brandão. O empreendimento contou com a participação dos solistas Izadora França (soprano), Vanda Otero (mezzo) e Angelo Dias (barítono); do Madrigal e da Orquestra da UFBA; da Associação Lírica da Bahia (ALBA); e dos músicos que integram os Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (NEOJIBA). Ao todo, foram realizadas duas récitas, sendo uma no Salão Nobre da Reitoria da UFBA e outra no Teatro Castro Alves, ambas com entrada gratuita e público excedente.

Ao longo de uma semana em Salvador, entre ensaios e encontros, interagindo com músicos e plateia, tive a oportunidade de experimentar, mais uma vez, o poder que a música tem de mover as emoções. Essa vivência foi potencializada, provocando catarse, renovando utopias. Ao lado do amigo Angelo Dias, conheci parte do trabalho construído por Irmã Dulce (https://www.irmadulce.org.br). Na visita que fizemos ao complexo hospitalar e ao memorial, localizado na Cidade Baixa, nos arredores do Bonfim, acompanhamos os vários passos de uma trajetória de amor e doação, testemunhamos a história de uma vida dedicada ao próximo, às causas sociais, à construção de um mundo mais humano e fraterno.

Por isso, ressignificamos nossa atuação como intérpretes, extrapolando os limites linguísticos da partitura e do texto poético, dando sentido, como preconiza Keith Swanwick, às nossas experiências musicais. Mais que notas, ritmos e frases, cantamos a vida, compartilhamos sentimentos, vivemos um momento único da condição humana, ignorando as diferenças, sublinhando as equivalências. A obra de Beethoven, o texto de Schiller e o legado de Irmã Dulce são revelações da face mais sublime e divina da nossa existência, do Criador. Os mais de duzentos músicos no palco, incluindo pessoas inseridas em diferentes realidades econômicas, sociais e culturais, motivados pela alegria que a música provoca, reiteraram a força ecumênica dos nossos gestos, ratificaram a premissa de que aquilo que nos une é mais forte que aquilo que nos separa, fizeram toda a diferença nesse Natal.

Vladimir Silva (silvladimir@gmail.com)

*Para os amigos José Maurício Valle Brandão e Angelo Dias.

Um comentário:

betaniamaia disse...

Cantar e tocar a vida sublinhando as equivalências! Viva a música!!! Obrigada pela força deste texto e das observações! Abraço!!!

Postar um comentário