segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Credo

O Credo, Op. 148, do compositor Liduino Pitombeira (Russas-CE, 1962), é uma composição para solistas, coro e orquestra de cordas. A obra, que tem 141 compassos e aproximadamente cinco minutos de duração, foi composta para completar a Missa Diligite, única peça litúrgica de grande porte de Camargo Guarnieri (1907–1993), escrita em 1972 e que contém apenas cinco partes: Kyrie, Gloria, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei.

Apesar do vínculo com a Missa Diligite, o Credo pode ser executado como obra independente. Nas notas explicativas da partitura, Liduino Pitombeira comenta que a sua composição, embora não siga uma formatação preponderantemente modal como a Missa de Guarnieri, “emprega referenciais estilísticos associados ao grande compositor do Tietê, principalmente no que diz respeito às harmonias construídas por quartas, ao mesmo tempo em que utiliza, em abundância, conexões cromáticas parcimoniosamente construídas, estruturas essas que guardam íntima relação com o romantismo tardio.”

O Credo, Op. 148 está dividido em várias seções, que têm diferentes centros tonais. Alguns trechos são harmonicamente instáveis, sobretudo aqueles nos quais prevalecem as mediantes cromáticas e os acordes formados por quartas. Quando o tenor solista canta os versos Deum de Deo, lumen de lumine, o compositor reduz toda a atividade rítmica e harmônica, sugerindo uma passagem em forma de recitativo. A seção para coro a cappella contribui para a construção do clímax, que ocorre quando a solista canta o verso qui propter nos homines, ratificando a premissa maior do Cristianismo, a salvação da humanidade através da redenção do Cordeiro. Neste trecho, que matematicamente corresponde ao corte áureo, Liduino Pitombeira recorre ao simbolismo musical para reforçar a relação entre texto e música, representando a solidão do Cristo, pendurado na cruz, daí a passagem para solista, a pausa na orquestra e no coro.

O processo de preparação da estreia mundial do Credo, Op. 148 foi bastante dinâmico, especialmente por conta da exigüidade do tempo, já que tivemos apenas duas semanas de ensaio. A Orquestra Sinfônica de Campina Grande (Sivuca), o Coro da Graduação e o Coro em Canto abraçaram o projeto, superando as dificuldades e os desafios técnicos, musicais e vocais, com muita dedicação e estudo. Este evento marcou o início de um novo tempo na Unidade Acadêmica de Artes, da Universidade Federal de Campina Grande, que recebeu os primeiros alunos da graduação em Música este semestre. A nossa meta (e profissão de fé!) é realizar projetos desta natureza, priorizando, sempre que possível, a interpretação da música do nosso tempo, dos nossos compositores, com nossos alunos. Quem tiver interesse em assistir ao vídeo da estréia do Credo, Op. 148 deve seguir o link http://www.youtube.com/watch?v=WHxgdqkShIs e conferir a nossa apresentação na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, em Campina Grande.

Vladimir Silva (silvladimir@gmail.com)

Um comentário:

Anônimo disse...

GRANDE LEITURA E PRESENTE AOS QUASE LEIGOS NO ASSUNTO. PITOMBEIRA É SHOW E VOCÊS COM A ORQUESTRA SIVUCA E O CORAL CORO EM CANTO IDEM.
GRANDE ABRAÇOS.
rangel junior

Postar um comentário